17ª edição da Febratex está confirmada para agosto

17ª edição da Febratex está confirmada para agosto

Considerada uma das maiores feiras do mundo voltadas para a indústria têxtil e a maior das Américas, o evento acontece em Blumenau de 18 a 21 de agosto. A Febratex, uma das maiores feiras do mundo voltadas para a indústria têxtil e a maior das Américas está confirmada para agosto. O evento acontecerá no Parque Vila Germânica, em Blumenau, Santa Catarina, entre os dias 18 a 21 de agosto. Após as medidas estabelecidas pelos decretos do Estado contra o Coronavírus, o Febratex Group, considera que esta edição da Febratex é um grande momento para a recuperação do setor têxtil brasileiro. “O evento é um dos maiores do mundo e movimenta a economia da indústria brasileira e do Estado de Santa Catarina”, informam. “O Febratex Group optou por manter a data do evento pois acredita que a feira é um ponto de partida para retomada dos investimentos e da economia do setor têxtil brasileiro. É um ambiente propício e ideal para retomada da economia, gerando novos negócios, contatos e contratos do setor têxtil. Estimulamos também o networking entre fornecedores, colaboradores, empresas, startups e demais envolvidos na cadeia têxtil”, informa o grupo. “O evento tem o propósito de promover o conhecimento, conexões e negócios entre pessoas e empresas que trabalham na indústria têxtil e de confecção. Além disso, gera economia e receita para diversos segmentos de Blumenau. Acreditamos que o retorno dessa edição será positivo”, aponta o Febratex Group.   Economia para o Vale do Itajaí A Febratex ocorre a cada dois anos e é a maior feira de máquinas e tecnologias têxteis das Américas. É reconhecida como a 3ª maior...
Estratégias de marketing digital precisam se adequar à LGPD

Estratégias de marketing digital precisam se adequar à LGPD

Tiago Brack Miranda, especialista em Gestão da Segurança da Informação da Indyxa, empresa especializada em infraestruturas para missão crítica. O marketing digital é uma das áreas mais impactadas com a chegada da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Landing pages, formulários na internet, anúncios baseados em cookies e relacionamento por meio das mídias sociais, são as principais formas das quais as empresas de marketing digital conseguem adquirir dados para segmentar as suas campanhas no ambiente digital e se destacarem no mundo dos negócios. A lei, prevista para entrar em vigor em agosto deste ano, traz à tona uma nova definição sobre   “consentimento”. A LGPD impõe que o consentimento seja mais objetivo e explícito antes de qualquer coleta de dados dos consumidores. Ou seja, antes de coletar o e-mail de um cliente, a empresa precisa tornar claro o motivo daquela coleta e destacar que a informação coletada é necessária para enviar por e-mail um determinado material sobre a marca. No entanto, o e-mail marketing será o mais afetado pela LGPD. Nessa estratégia do marketing digital, o consentimento do consumidor se faz ainda mais necessário. E, sem essa importante base legal, a entrada da LGPD em todo o território nacional faz com esse recurso possa ser excluído das estratégias dos negócios. Outra estratégia conhecida do setor, os anúncios baseados em cookies, que são fundamentados em sites que o usuário visitou, podem levar à identificação de uma pessoa pelos seus registros no histórico de navegação. Este é mais um ponto importante da normativa, que prevê diretrizes no acesso às informações e no tratamento dos dados pessoais ou qualquer informação que identifique...
Crise Global: Como as marcas podem reagir

Crise Global: Como as marcas podem reagir

O mundo está enfrentando uma pandemia com uma nova doença causada por um vírus que se espalha muito facilmente. Os governos em todo o mundo estão reagindo fortemente, com vários países determinando isolamento da população em suas casas. Milhões de pessoas em casa significa que a atividade econômica fica prejudicada. Por conta disso, as bolsas de valores tiveram um crash gigantesco, fragilizando ainda mais a situação das empresas e dos mercados. Os choque sofridos por nações e por grandes empresas negociadas em bolsa rapidamente irão se refletir por toda a sociedade, em cada país em que o vírus chegar. E os primeiros casos já estão chegando ao Brasil. Em paralelo às questões de saúde pública, já estamos vendo mudanças drásticas no comportamento dos consumidores nos países afetados, e essas mudanças, em diversas medidas, devem acontecer no nosso país. As empresas precisam tomar medidas para diminuir os impactos econômico, buscando soluções para continuar o trabalho e manter o máximo possível o ritmo dos negócios.   Menos pessoas nas ruas, menos interações sociais Um primeiro impacto esperado é uma diminuição brusca na circulação de pessoas e sua participação em eventos em grupo. Isso diminuirá fortemente o faturamento de negócios que dependem da presença física e de agrupamento de pessoas. Segundo a IPSOS, os negócios que serão mais impactados inicialmente pelas mudanças de comportamento dos consumidores são: lojas físicas, locais de lazer, itens de grande valor agregado (carros, produtos de luxo), bebidas alcólicas, turismo e viagens  e,tecnologias para o consumidor.   Na China, na fase inicial da epidemia, as pessoas consumiram mais produtos de cuidados médicos, comidas e bebidas (estocando para se...
Consumidores estão mais interessados no design, durabilidade e sustentabilidade dos móveis, diz especialista

Consumidores estão mais interessados no design, durabilidade e sustentabilidade dos móveis, diz especialista

A marcenaria está cada vez mais tecnológica e moderna, e os consumidores estão mais exigentes e conscientes quanto à produção dos móveis. Sustentabilidade, personalização e tecnologia fazem parte da marcenaria atual e estão totalmente ligados aos novos hábitos de consumo dos brasileiros. Segundo uma pesquisa feita pelo Instituto de Estudos de Marketing Industrial (IEMI), órgão que estuda o comportamento do consumidor, cerca de 63% dos clientes pesquisam na internet antes de realizar uma compra e 70% não abrem mão desse recurso para conhecer o design dos móveis e o seu valor no mercado. Pensando nestes novos hábitos de consumo, o casal Ana Boaventura e Bernardo Costa decidiram inovar no ramo da marcenaria e criaram a empresa “Meu Marido Marceneiro”, que utiliza exclusivamente madeira de demolição, madeira de lei e compensado para a produção das peças, além de não possuírem peças a pronta entrega e nem show room, todas as criações são exclusivas e feitas sob medida para cada cliente. Bernardo avalia que atualmente é preciso estar atento às tendências e, principalmente, no quesito sustentabilidade. “O consumidor mudou, existem diversos meios em que ele pode pesquisar sobre como o móvel é feito e qual material é utilizado, e não apenas isso, ele procura por uma experiência de compra, procura por exclusividade. Por conta disso, nós utilizamos apenas material de qualidade na fabricação das peças e elaboramos peças exclusivas para cada cliente, conforme seu gosto e necessidade”, explica. Neste processo, todos os detalhes fazem a diferença para encantar o cliente. Jair Grossl, presidente da Grossl, grande fornecedora da indústria moveleira, destaca a importância na escolha dos produtos para a produção de...
Coronavírus: por que devemos ficar em casa?

Coronavírus: por que devemos ficar em casa?

Com o avanço do vírus, é importante que todos se conscientizem de que a melhor prevenção é praticar o distanciamento social, diz especialista Diante de tantas incertezas quanto ao Coronavírus (Covid-19), é preciso que a população mantenha a calma e se informe sobre a melhor maneira de se prevenir contra o vírus. O Covid-19, é uma doença respiratória causada por um vírus (o SARS-COV-2), e seu quadro pode variar de intensidade, em geral sendo muito semelhante a uma gripe. Alguns casos podem ser mais graves, como em idosos e em pessoas com doenças crônicas. Nessas situaçōes, pode ocorrer síndrome respiratória aguda grave (em que há uma grande dificuldade para respirar) e complicações. Em casos extremos, pode levar a óbito. No Brasil, o vírus já está circulando por meio de transmissão comunitária, ou seja, quando não se sabe a origem da contaminação e, por isso, o isolamento social é a melhor maneira de prevenir a disseminação do mesmo. A neurocirurgiã Danielle de Lara, explica que para reduzir os riscos de contrair ou transmitir o vírus, as pessoas devem seguir algumas dicas de prevenção, entre elas, o isolamento social. “Neste momento é de extrema importância que as pessoas entendam que não devem apenas se proteger, mas sim, proteger as pessoas com maior vulnerabilidade, como os idosos”, explica. “Ficando em casa conseguimos diminuir a propagação do vírus e, consequentemente, os impactos dessa doença sobre todos.” Dentre as ações de prevenção estão: – Isolamento social – ou seja, sair de casa apenas em casos inevitáveis; – Caso precise sair de casa –  ao retornar, deixar os sapatos do lado de fora, trocar de...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: