Empresas em alta em meio à crise do Covid-19

Empresas em alta em meio à crise do Covid-19

Na pandemia global do novo Coronavírus muitas empresas fecharam as portas, mas por outro lado outras se destacaram com crescimento nas vendas. A pandemia do novo Coronavírus causou muitos problemas para a economia global. Considerada uma das maiores crises de todos os tempos os impactos dela foram e estão sendo sentidos em todas as áreas e setores, apresentando desafios sem precedentes para governos, empresas e cidadãos. Para o especialista em branding, D.J Castro, sócio-proprietário da Nexia Branding, crises geram a situação paradoxal, ou seja, ao mesmo tempo em que muitas empresas sofrem, outras podem aproveitar condições específicas de mercado para crescerem. “Crises podem gerar oportunidades, mas em uma pandemia não há espaço para oportunismos. É legítimo que toda empresa procure novas formas de gerar negócios, potencializando seus pontos fortes e suas conexões com o mercado”, comenta. Segundo a Fundação Instituto de Administração (FIA), em nível macroeconômico, a crise econômica provocada pelo Covid-19 se divide em quatro etapas: recolhimento, replanejamento, retomada e sustentação de empresas. Mas o que chama atenção de muitas pessoas, empreendedores, gestores e stakeholders é o crescimento significativo de alguns segmentos e criação de novas empresas. O especialista em Branding explica que é preciso entender que as empresas que desejam passar por esse momento precisam seguir novos parâmetros e que um “novo normal” virá. “Para muitas empresas esse novo normal significará o desaparecimento. Quando um setor tem um choque de demanda e os consumidores não podem mais consumi-lo, infelizmente é preciso se reinventar e buscar novas formas de existir.  Já em contrapartida às dificuldades desses setores ameaçados, várias empresas conseguiram reformular rapidamente suas estratégias e criar novas...
Coronavírus: em meio à pandemia, ataques cibernéticos aumentam 330% em solo brasileiro com a implementação do regime de home office

Coronavírus: em meio à pandemia, ataques cibernéticos aumentam 330% em solo brasileiro com a implementação do regime de home office

Somados aos inúmeros desafios do período, os ataques cibernéticos estão entre as ameaças para as empresas. Portanto, especialista aponta que a cibersegurança se torna ainda mais fundamental para os negócios neste período de pandemia.   Em meio à pandemia de Coronavírus, a maioria das empresas de todo o mundo adotou o regime de home office. E em meio aos inúmeros desafios do período, os ataques cibernéticos estão entre as principais ameaças para as empresas. Prova disso, um levantamento da empresa de segurança cibernética Kaspersky, apontou que o número de ataques de engenharia social cresceu 330% em solo brasileiro com a implementação do regime de home office, entre fevereiro e abril. Para o especialista em Gestão da Segurança da Informação da Indyxa, empresa especializada em infraestruturas para missão crítica, Tiago Brack Miranda, garantir a segurança e a privacidade dos dados dos clientes é essencial para qualquer negócio. E diante do momento atual, a cibersegurança se torna ainda mais fundamental para os negócios. “Nenhuma empresa quer estar envolvida no vazamento de dados importantes de seus clientes, falha na segurança ou indisponibilidade de serviços. Por esse motivo, é necessário aprimorar a segurança dos dados e informações da empresa durante o home office, adotando boas práticas, por exemplo, ficar atento à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)”, diz. As organizações precisam encontrar o quanto antes soluções de proteção nesse período de transformação digital, para reduzir as chances de impactos com ataques e garantir o que está previsto na nova legislação que logo deve entrar em vigor. “As empresas precisam inovar e implementar tecnologias e ferramentas que possibilitem ajustar os processos às novas...
Doenças de inverno: estação exige cuidados redobrados para prevenção de doenças, especialmente durante a pandemia de Coronavírus

Doenças de inverno: estação exige cuidados redobrados para prevenção de doenças, especialmente durante a pandemia de Coronavírus

Pneumologista revela que quando as temperaturas despencam, para os pacientes que já possuem algum tipo de comorbidade a preocupação é ainda maior, já que o quadro clínico pode se agravar rapidamente.   O inverno já começou e é neste período que aumenta o risco de doenças respiratórias. Em meio à pandemia de Coronavírus, a preocupação se multiplica. Principalmente, para os pacientes que já possuem algum tipo de comorbidade, como diabetes, obesidade, hipertensão, doença cardíaca e entre outras enfermidades.   O médico pneumologista do Hospital Dia do Pulmão, centro de referência na área respiratória, em Blumenau, Santa Catarina, Dr. Marcel Müller da Silveira, destaca que o quadro clínico desses pacientes pode se agravar rapidamente, devido a suas comorbidades. “Por esse motivo, é essencial que essas pessoas procurem atendimento médico imediato caso tenha alguma anormalidade, como tosse, febre, dificuldade para respirar ou chiado no peito, para que os casos já existentes não se agravem”, diz.   Dr. Silveira revela que quando as temperaturas ficam mais baixas ocorre também o ressecamento do ar, emitindo assim, mais partículas de poeira na atmosfera, aumentando a circulação de vírus e bactérias. “Resultando no aumento a chance de contrair doenças respiratórias no inverno. Isso acontece devido as constantes alterações das temperaturas, fazendo com que o sistema imunológico do paciente fique mais fragilizado. Como o organismo não consegue se adaptar, a pessoa fica mais vulnerável a adquirir uma infecção respiratória, gripe ou pneumonia bacteriana”, informa o médico.   Por último, o pneumologista aponta que durante o inverno, as pessoas buscam ambientes aquecidos com menor ventilação, formando aglomerações, cenário ideal para a propagação de doenças, entre elas, o...
Pandemia estimula novos negócios e vendas da flanela com tecnologia antiembaçante Outfog, superam expectativas no mercado

Pandemia estimula novos negócios e vendas da flanela com tecnologia antiembaçante Outfog, superam expectativas no mercado

Desde que foi lançada em meio à crise do Coronavírus, já foram comercializadas mais de 200 mil flanelas. Negócio já possui cerca de quatro mil pontos de venda distribuídos em todo o Brasil.   O que começou como uma necessidade de uma ótica localizada em Blumenau, Santa Catarina, agora é um sucesso de vendas em todo o território brasileiro. A flanela com tecnologia antiembaçante Outfog, da LPR Brasil Representação Comercio e Serviços, chegou ao mercado com o desafio de eliminar o embaçamento das lentes de quem utiliza máscara, item de segurança essencial para diminuir o contágio do Coronavírus.   Desde que foi lançada em meio à pandemia de Coronavírus, já são mais de 200 mil flanelas vendidas e cerca de quatro mil pontos de venda distribuídos em todo o Brasil. “Atendendo uma necessidade imediata de todas as pessoas que usam óculos e precisam também fazer uso de máscaras de proteção, a flanela já está no top 10 da Loja Integrada, plataforma de e-commerce para criação de lojas virtuais voltada para pequenas e médias empresas”, aponta empresário Felipe Bittencourt.   Em pouco tempo, o produto conquistou novos nichos de mercado. “A ideia inicial era destinar os produtos apenas para os clientes de uma única ótica, mas decidimos oferecer para outras óticas, em sua grande maioria de uma cooperativa de óticas do estado de São Paulo. E, rapidamente, a flanela teve uma grande procura do mercado de óticas, mas também, de outros segmentos, como supermercados, lojas de conveniência, farmácias, empresas que compram para seus funcionários, lojas de departamentos e entre outras. Nosso objetivo é levar a solução para o maior número...
Vinhos e inverno: sommelier dá dicas para aproveitar a estação com um bom vinho rosé

Vinhos e inverno: sommelier dá dicas para aproveitar a estação com um bom vinho rosé

Leve e delicado, muita gente acredita que o vinho rosé deve ser degustado apenas no verão. Entretanto, o sommelier da Decanter Blumenau revela que isso não é verdade.   Quando as temperaturas despencam, uma taça com um bom vinho é sempre bem-vinda. Mas, para quem acha que somente o tradicional vinho tinto combina com as baixas temperaturas, o sommelier da Decanter Blumenau, Sidney Lucas, explica que o rosé não fica de fora dessa estação e também pode ser uma excelente opção para aproveitar os sabores do inverno.   O especialista afirma que, independentemente da escolha,“o que não pode faltar é um bom vinho na estação”. “A dica é usar a criatividade e escolher os rótulos sem medo. Todos os tipos são perfeitos para brindar no inverno, desde que harmonizados corretamente”, diz.   Para acertar na harmonização nos dias frios, confira as dicas do sommelier para surpreender com um bom vinho rosé no inverno.   Lucas revela que o mais importante na hora de harmonizar um vinho com um prato, é observar que quando servidos juntos, ambos estejam em sintonia para evidenciar ainda mais as características e sabores um do outro, formando uma sensação prazerosa para quem está degustando. Por via de regra, pratos leves vão bem com vinhos leves, assim como pratos mais encorpados se complementam bem com vinhos também assim.   “É exatamente isso que o espanhol Bodegas Muñoz Artero Rosado La Mancha 2017 combinado um delicioso spaghetti de frutos do mar ao pomodoro e manjericão proporciona. O vinho é fresco e possui boa acidez na boca, porém de forma agradável, fazendo com os sabores saltem a boca”,...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: