Dicas para você começar a planejar sua aposentadoria agora

Dicas para você começar a planejar sua aposentadoria agora

Especialista em Planejamento Previdenciário esclarece as maiores dúvidas sobre o assunto, dá dicas sobre o tema e fala sobre a importância de planejar a aposentadoria desde jovem. Aposentar-se com tranquilidade e conforto é o sonho de muitas pessoas. Mas, planejar a aposentadoria é uma meta de longo prazo e que exige disciplina. Um hábito não muito comum no Brasil, o Planejamento Previdenciário é uma ação que deveria ser pensada desde jovem. Segundo estudo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, Serviço de Proteção ao Crédito e pelo Banco Central do Brasil, seis em cada dez brasileiros ainda não se prepararam para a aposentadoria. “O Planejamento Previdenciário, como o próprio nome diz, é um planejamento de aposentadoria, feito antes do indivíduo requerer o benefício de fato. Na prática, ele funciona como um estudo de todo o histórico do trabalhador, considerando aspectos como, idade, tempo de serviço e valor das contribuições ao sistemas previdenciários, tipo de atividade exercida, características dos diferentes regimes de previdência e a legislação envolvida. Esse diagnóstico quem faz é um especialista na área de Direito Previdenciário, e nele são avaliados todos esses itens”, explica Fátima Domeneghetti, advogada especialista em Direito Previdenciário, Previdenciário Internacional e do Servidor Público e, sócia do Domeneghetti Advogados Associados. Fátima completa que após o levantamento de todas as informações citadas acima, são feitos os cálculos e entregue um parecer individualizado com a melhor estratégia para garantir uma boa aposentadoria, de acordo com os objetivos traçados pela pessoa. “Planejar é um passo muito importante em diversas áreas da vida e com a aposentadoria não é diferente, ela representa um período em nossas vidas onde precisamos...
Ecossistemas de inovação: entenda por que são fundamentais para o desenvolvimento da sociedade

Ecossistemas de inovação: entenda por que são fundamentais para o desenvolvimento da sociedade

Especialista explica a importância do papel de ecossistemas de inovação para estimular a interação e cooperação. As transformações tecnológicas, econômicas e de mercado estão impactando diversos segmentos e pessoas ao redor do mundo. Ao observarmos países desenvolvidos, notamos que rotineiramente surgem empresas, produtos e serviços, novas tecnologias e riqueza de forma consistente e permanente. Algo que podemos ter certeza é de que isso não acontece por acaso. De acordo com o especialista em marketing, sócio-proprietário da Nexia Branding, D.J. Castro, o desenvolvimento de grandes países é um fruto da interação de diversas forças e atores interconectados e atuando em sincronia com um objetivo em comum. “Unir governos, iniciativa privada, universidades, instituições de ensino, empreendedores e o ambiente criativo da cidade, influencia no desenvolvimento dos países, garantindo um desenvolvimento sustentável a longo prazo. O nome dessa complexa interação é Ecossistema de Inovação, que tem um papel importante para tornar uma ideia algo de impacto transformador e em escala”, aponta. Castro explica que Ecossistemas de Inovação são conjuntos de fatores que estimulam a interação e cooperação. Exemplos disso são os parques tecnológicos, incubadoras e associações. Ecossistemas de Inovação podem operar em múltiplos níveis, por exemplo: local, regional, nacional, dentro de vários setores distintos, como tecnologia da informação, educação, agricultura, saúde entre outros.   Os exemplos vem de fora   Diariamente acompanhamos casos de sucesso no desenvolvimento de novas empresas e tecnologias, novos produtos lançados no mercado, serviços que atendem demandas latentes e resolvem problemas para as pessoas, gerando negócios e criando oportunidades onde antes não havia. E de acordo com Castro, para isso acontecer de forma constante é imprescindível que exista um...
Vídeo que circula na internet dizendo que medição de temperatura é prejudicial ao cérebro, é fake news, explica neurocirurgiã

Vídeo que circula na internet dizendo que medição de temperatura é prejudicial ao cérebro, é fake news, explica neurocirurgiã

Está circulando em diversas redes, um vídeo alegando que a medição de temperatura feita na testa seria prejudicial à glândula pineal do cérebro. Especialista alerta que a informação é falsa. Nos últimos dias está circulando na internet, um vídeo alegando que a medição de temperatura feita na testa é prejudicial a glândula pineal do cérebro, afirmando que um raio infravermelho atinge a glândula causando graves consequências. A neurocirurgiã, Danielle de Lara, que atua no Hospital Santa Isabel (Blumenau/SC), alerta que o vídeo trata-se de uma fake news. “Os termômetros infravermelhos, que se tornaram populares nos últimos meses, em decorrência do novo Coronavírus, não emitem energia, eles a captam. Eles fazem a medição ao captar a radiação infravermelha emitida pelo próprio corpo humano”, explica a médica. A especialista ainda ressalta que todo corpo emite radiação eletromagnética. A intensidade da radiação emitida está relacionada à temperatura do corpo. “O termômetro de infravermelho mede a intensidade da radiação de infravermelho emitida pela superfície de um corpo para inferir sobre a temperatura desse. Desta forma, não há prejuízo ao corpo humano”, explica Danielle. A Vigilância Sanitária de Santa Catarina, em decorrência dos diversos vídeos que circulam na internet, emitiu uma nota explicando sobre o assunto. Além disso, o órgão ressalta que os termômetros infravermelhos, no Brasil, necessitam de certificação do INMETRO e registro junto a ANVISA, antes da sua comercialização. Não havendo nenhuma evidência científica de que o termômetro infravermelho cause qualquer problema intracraniano.   “O uso dos termômetros infravermelhos são seguros para todos, e, são a melhor opção para verificação da temperatura corporal em massa, em decorrência da pandemia causada pelo novo...
Como a tecnologia aliada ao processo de garantia de locação pode facilitar o dia a dia das imobiliárias e a vida do futuro locatário?

Como a tecnologia aliada ao processo de garantia de locação pode facilitar o dia a dia das imobiliárias e a vida do futuro locatário?

CEO da Plek Soluções para Locação, ferramenta gratuita para contratação da garantia de locação, Rafael Hirt.   O processo de garantia de locação de imóveis pode ser bastante burocrático em solo brasileiro. Inúmeros documentos e fichas para enviar, demora no retorno do cadastro, alto custo para o locatário e baixa conversão com novas locações são alguns dos problemas para conseguir alugar um imóvel. Entretanto, com a tecnologia como aliada das imobiliárias, é possível encontrar alternativas para alugar de forma ágil e segura, proporcionando diferenciais competitivos que podem fazer a diferença na hora que um cliente toma a sua decisão.   Já existe no mercado, por exemplo, uma ferramenta gratuita para contratação da garantia de locação, que facilita o dia a dia das imobiliárias por meio da tecnologia. Dando adeus ao tradicional fiador e com menor custo para o locatário, a ferramenta reúne diversas modalidades de garantia de locação, como seguro fiança, garantia por cartão de crédito e título de capitalização. E o que antes precisava de dados a serem enviados por e-mail para a corretora de seguros, para o seguro fiança e, posteriormente, acessar outra ferramenta para contratar a garantia por cartão de crédito, hoje está disponível para o atendente de locação em uma única ferramenta.   Com a solução, é possível adquirir um parecer de forma instantânea do cadastro do cliente, sem preencher fichas e enviar documentos para a corretora de seguros. Além disso, também é possível oferecer um preço mais justo, pois a ferramenta trabalha com as menores taxas do mercado, com preço até 30% mais barato que nas demais corretoras. Desta forma, é possível evitar que...
Nota fiscal de consumidor eletrônica: especialista dá orientações para os negócios catarinenses que precisam aderir à NFC-e

Nota fiscal de consumidor eletrônica: especialista dá orientações para os negócios catarinenses que precisam aderir à NFC-e

Em Santa Catarina, os contribuintes devem além de atender aos requisitos habituais, ser usuário do PAF e solicitar Tratamento Tributário Diferenciado- TTD, junto à Sefaz do Estado. O uso da tecnologia já passou a ser quase que um item obrigatório nas empresas, principalmente quando pensamos em documentos eletrônicos.  A transformação digital chegou para modernizar todo o processo de gestão e emissão de nota fiscal, como é o caso da nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e), realidade em todo o território brasileiro, e que, recentemente, chegou a Santa Catarina para descomplicar o dia a dia dos varejistas catarinenses.   O diretor técnico da Inventti Soluções Empresariais, Tibério César Valcanaia, referência nacional em documentos eletrônicos para o varejo, explica que para emitir a NFC-e em Santa Catarina, os contribuintes devem atender apenas alguns requisitos. “É necessário que o estabelecimento tenha inscrição Estadual (IE), solicite credenciamento para emissão de NFC-e junto a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), tenha acesso à internet, possua certificado digital de pessoa jurídica válido, ou seja, no padrão ICP – Brasil, além de adquirir um sistema emissor de documentos fiscais”, diz.   Ainda na fase piloto e sem data para obrigatoriedade da emissão, o Grupo Especialista Setorial de Automação Comercial (GESAC) é o responsável pela seleção dos contribuintes e dos desenvolvedores do Programa Aplicativo Fiscal (PAF-ECF). “Santa Catarina continuará operando com a emissão de cupons fiscais do ECF – Equipamento Emissor de Cupom Fiscal, mas em modo de contingência, ou seja, quando por algum motivo a NFC-e não puder ser emitida”, aponta Valcanaia.   Além disso, o Estado  estabeleceu condições próprias para emissão da NFC-e. “Poderá ser...
Tecido antiviral é seguro e sustentável, afirma especialista

Tecido antiviral é seguro e sustentável, afirma especialista

Produto desenvolvido por indústria catarinense utilizando partículas de prata é produzido com foco em sustentabilidade e economia de recursos naturais. Desde o início da pandemia, a indústria mundial vem trabalhando na busca de novas tecnologias para mitigar os efeitos do novo Coronavírus. Um exemplo disso são os tecidos antivirais, como o desenvolvido de forma pioneira pela catarinense Dalila Têxtil. A tecnologia por trás do acabamento antiviral utiliza partículas de prata. “Quando o material entra em contato com o vírus ele acaba por romper a camada viral e expõe o DNA ou o RNA do vírus. Este, então, passa a não ter mais a sua ação quando infecta uma célula”, explica Alexsandra Valério, doutora em Engenharia Química pela UFSC e uma das responsáveis pelo desenvolvimento do material. A eficácia do produto já foi comprovada por diversos testes e certificações laboratoriais e não oferece nenhum risco de toxicidade para a saúde, garantindo selo dermatologicamente testado.   Porém, muita gente se pergunta sobre a sustentabilidade desse material.  A engenheira Química explica que as partículas de prata utilizadas para a fabricação do tecido são facilmente precipitadas nos efluentes, pois reagem com floculantes aplicados para a eliminação do lodo e, depois da prata ter reagido e se tornado um sal no efluente, biologicamente ela não é mais antimicrobiana. Além disso, foi pensado no pós-uso do material. “Como é um tecido de alta qualidade, ele tem uma vida útil mais longa e pode permanecer em uso por mais tempo, ajudando a preservar o meio ambiente e economizando recursos”, acrescenta o diretor da Dalila Têxtil, André Klein. Hoje a eficácia deste produto se estende a 50 lavações...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: