Posicionamento de marcas no mercado

Gerar visibilidade no setor em que atua e se diferenciar dos concorrentes são considerados fatores primordiais para o posicionamento de uma empresa no mercado, seja de pequeno, médio ou grande porte. Para que isso ocorra, a marca precisa estar em contato com o público-alvo, de maneira constante, alinhada com a missão, visão, valores, produtos e serviços. E o momento econômico, apesar de retraído, é favorável a isso. O posicionamento da marca é um trabalho constante, que acompanha o desenvolvimento e crescimento da empresa, contudo é preciso acompanhar o panorama econômico do país e fazer adequações conforme a situação do setor e abrangência de atuação. Atualmente, muitos dos consumidores brasileiros que pertencem à Classe C estão expostos a uma inflação persistente e a uma deterioração razoável da renda. Sendo assim, este público consumidor está desenvolvendo ou privilegiando determinados comportamentos, que visam economizar, como a redução das compras por impulso e a busca por produtos mais baratos, mas com mesmas funcionalidades. Além disso, os consumidores não desejam arriscar nas escolhas de consumo. Por isso, em um mercado super ofertado, é preciso acertar na primeira vez. Então, o posicionamento da marca deve representar uma vantagem competitiva sustentável ou ‘proposição única de vendas’, isto é, deve dar ao consumidor uma razão convincente para preferi-la e comprar mesmo comparando com as concorrentes. O cenário econômico atual retraído torna mais fácil a marca aparecer, já que há menos gente anunciando. Sempre onde existe um problema, existe também uma oportunidade. Se tem menos dinheiro no mercado, você vai deixar que vá para o concorrente? Através da marca há várias formas de chegar ao público-alvo. É preciso...

Momento é propício para melhorar o posicionamento de marcas no mercado

Cenário de retração traz oportunidades para empresas que estão investindo em comunicação. Gerar visibilidade no setor em que atua e se diferenciar dos concorrentes são considerados por especialistas fatores primordiais para o posicionamento de uma organização empresarial no mercado, seja de pequeno, médio ou grande porte. Para que isso ocorra, eles atestam: a marca precisa estar em contato com o público-alvo , de maneira constante , alinhada com a missão, visão, valores, produtos e serviços. E o momento econômico, apesar de retraído, é favorável a isso. Segundo o especialista em Marketing e Vendas e consultor da SBA Associados, Nelson Jorge Leite, a marca e também a identidade de uma empresa e de seus produtos são os sinais e a síntese da comunicação que atinge os clientes e o mercado. Porém, para que haja resultados satisfatórios, é preciso que a organização entenda a diferença de atuação de quatro itens que precisam estar presentes e alinhados na estrutura da comunicação: identidade, posicionamento, imagem e reputação. O profissional explica que a identidade é como a empresa gostaria de ser percebida, já o posicionamento é a posição que ela pretende ocupar na mente do consumidor e demais públicos. A imagem é o reflexo da identidade e do posicionamento percebidos pelo público-alvo e com impacto junto a ele e ao ambiente, enquanto a reputação é o significado atual das ações realizadas pela empresa. “Se estes quatro elementos estiverem desalinhados, torna-se um risco para a marca. Caso isso ocorra e seja necessário iniciar um ajuste, deve-se começar pela identidade, visto que os demais decorrem da sua consistência e são os seus reflexos”, explica. Para o...

A importância da mídia tradicional diante da mídia digital

No mercado dos negócios, publicidade e propaganda não devem prevalecer somente na internet. Televisão, jornal e outras plataformas de comunicação também são fundamentais. O mundo globalizado avança em ritmo acelerado. Novos aplicativos para smartphones, novas redes sociais e novas ferramentas de acesso à web são desenvolvidas em todo momento. Estar nesse meio digital, seja pessoal ou profissionalmente, tornou-se essencial. Para as empresas, são formas diferenciadas e atuais de conquistar e fidelizar clientes. Contudo, especialistas atestam: mesmo a mídia digital sendo cada vez mais relevante para os negócios, a mídia tradicional não deve perder espaço. De acordo com a pesquisa “Debate Digital 2013 – Emergência do consumidor digital multitarefas”, realizada recentemente pela KPMG International, os brasileiros ainda priorizam a mídia tradicional, em relação à digital. Entre noves países avaliados, o Brasil foi o que mais gastou com a mídia tradicional (US$ 15 por mês, em média). Os brasileiros também ficaram em segundo lugar entre os que mais gastaram com mídia digital, mas apenas US$ 6, em média. A pesquisa apontou ainda que, no Brasil, a televisão é o meio de comunicação mais popular. Em seguida, vem o rádio e os impressos. Outro estudo, realizado em 2013 pela Jack Morton Worldwide, do Interpublic Group, através da pergunta “Como você fica sabendo sobre as marcas?”, feita com três mil consumidores do Brasil e mais cinco países, revelou que, para os brasileiros, a mídia tradicional é a principal fonte de informações sobre produtos. Segundo o publicitário e sócio da Free Multiagência, Romeu Reichert, esses dados mostram que a maneira tradicional de fazer comunicação continua tendo sua importância para o consumidor. Por que apostar...

Mudanças no cenário econômico da Classe C

Empresas devem se adaptar para continuar atraindo este público caso as perspectivas se confirmem. O panorama da economia do país está mudando e a Classe C, que vinha em constante ascensão, pode sofrer queda no padrão de vida se as previsões para o segundo semestre, após Copa do Mundo e eleição, e o próximo ano, com aumento da inflação, ocorram. É hora de pensar em novos planos para e garantir que estes consumidores permaneçam sendo importantes para o sucesso dos mercados brasileiros. De acordo com a pesquisa “Faces da Classe Média”, realizada recentemente pela Serasa Experian e pelo Instituto Data Popular, a Classe C é composta, atualmente, por 108 milhões de pessoas. Comparando com uma nação, este público equivale a 12ª nação mais populosa do planeta, à frente da Alemanha e França. Em 2013, a população da Classe Média movimentou R$ 1,17 trilhão em compras e 58% do crédito no Brasil, o que representaria a 18ª nação em consumo. Segundo os dados da análise, a maior parte desta faixa econômica está no Sudeste (43%), Nordeste (26%), Sul (15%) e Centro-Oeste e Norte (8%). A pesquisa aponta ainda que a Classe C pretende consumir ao longo de 2014 8,5 milhões de viagens nacionais, 7,8 milhões de notebooks, 6,7 milhões de aparelhos de TV, 4,8 milhões de geladeiras, 4,5 milhões de tablets, 3,2 milhões de viagens internacionais, 3 milhões de carros e 2,5 milhões de imóveis, além de vários outros itens. O publicitário e sócio da Free Multiagência Romeu Reichert destaca que, apesar de ocorrer o aumento no poder de compra com as futuras mudanças econômicas no país, estes consumidores tendem...

Copa do Mundo aliada aos bons negócios

Maior competição de futebol do planeta pode ser ótima jogada de marketing das empresas brasileiras. O Brasil, considerado país do futebol, se prepara para estar no centro das atenções ao realizar a 20ª edição do principal evento futebolístico do mundo. Entre os dias 12 de junho e 13 de julho, 31 seleções estarão na disputa pela taça de campeão, divididas em 64 jogos que acontecerão em 12 estádios sede. Mas não somente futebol e esporte mobilizarão o país, a economia também tem a oportunidade de estar em evidência e movimentar os mais variados mercados nesta época se as empresas souberem usar das estratégias de publicidade. O universo da publicidade e da propaganda trabalha, principalmente, com o que chama a atenção e com o diferencial, então por que não aproveitar a Copa do Mundo, que costuma ser um momento de muita emoção, para criar produtos, serviços ou divulgações que tenham relação com o tema? “A Copa é um ótimo momento para fazer marketing de relacionamento com clientes e colaboradores, por ser um momento histórico, pelos brasileiros serem apaixonados por este esporte”, destaca Camila Borela, responsável pelo Planejamento da Free Multiagência, que atua no segmento publicitário em Santa Catarina. Segundo a publicitária, a Copa no Brasil movimentará diversos setores ligados ao dia a dia das pessoas e deve-se procurar, nestas áreas, maneiras de atrair o público unindo a paixão pelo futebol e a expectativa da maior competição do esporte no planeta. As pessoas vestirão as cores da bandeira para momentos de reuniões entre pequenos e grandes grupos de torcedores, onde haverá consumo de bebidas e de alimentos. Por isso, a profissional...

Free Multiagência lança campanha de conscientização no trânsito em Blumenau

Neste mês de maio, o mundo está pintado de amarelo, em mais uma edição do movimento internacional mobilizado por poderes públicos e sociedade civil com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre os perigos do trânsito. Em Blumenau, a Free Multiagência foi a escolhida, através de processo licitatório, para liderar a campanha em prol do movimento do Serviço Autônomo Municipal de Trânsito e Transportes – Seterb. O uso da faixa de pedestres é o tema central da campanha “A Melhor Amiga do Pedestre” lançada no dia 5 de maio, em solenidade na Prefeitura de Blumenau. “Estamos muito felizes em fazer parte desta nova fase de posicionamento em comunicação do Seterb, após longo tempo de estagnação. E, principalmente, em começar esta parceria como agência de publicidade oficial do órgão com uma campanha tão significativa e relevante para Blumenau”, destaca Cyntia Wehmuth Hugo, diretora de criação da Free. Durante o lançamento, o prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, ressaltou sobre a importância da campanha. “Em Santa Catarina, Blumenau tem tido iniciativa pioneira neste movimento internacional, que é o Maio Amarelo. A conscientização é o meio mais eficaz na educação para o trânsito e com esta campanha, esperamos ter estatísticas mais aceitáveis em nossa cidade”. Para o presidente do Seterb, Sérgio Chisté, a campanha serve para alertar as pessoas principalmente em relação a faixa de segurança. “Em 2013 Blumenau registrou 205 atropelamentos e neste ano, de janeiro a abril, já ocorreram 53 acidentes deste tipo. Queremos mostrar que os atropelamentos trazem consequências maiores à vida, pois são forças desproporcionais que se encontram. Vamos trabalhar com a prevenção, focando na educação”. Maio amarelo em...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: