Três motivos para usar a gamificação

Três motivos para usar a gamificação

O fascínio dos seres humanos por jogos eletrônicos tornou-se uma oportunidade para desenvolver novas habilidades na sociedade. Exemplo disto é a gamificação, que se apropria dos mecanismos de engajamento utilizados nos jogos para treinar e ajudar a resolver problemas práticos no cotidiano das pessoas, em diferentes áreas de atuação. De acordo com o especialista em gamificação e diretor da Orbitotal, Marlon Moser, essa tecnologia tornou-se um item estratégico essencial em empresas de diversos segmentos. “A gamificação serve, principalmente, para ensinar a resolver problemas de maneira prática. Mas não é qualquer game que pode ser usado para treinar e educar. Nós trabalhamos em parceria com experts em neurociência e psicologia cognitiva para oferecer produtos que sejam mais eficientes e atraentes. Para ser eficiente, um game precisa ser divertido”, destaca. Moser aponta três motivos importantes para usar a gamificação nas empresas: Engajamento e motivação Pesquisas mostram que jogos de computador são os campeões em motivar durante os treinamentos. As tarefas são realizadas com a mesma sensação positiva e divertida que os jogos eletrônicos são capazes de trazer. Aquisição e fixação de conteúdo A gamificação é um recurso que pode ser utilizado para aumentar o interesse e garantir o aprendizado de uma maneira mais agradável. Gamificar uma apostila ou um tutorial, por exemplo, é certeza de mais eficiência e melhor compreensão do conteúdo. Seja por recompensas virtuais ou apenas por diversão, a gamificação ajuda os funcionários a fixar melhor o conteúdo, já que eles se relacionam com ele de forma diferente do que apenas uma leitura ou assistindo a um vídeo de treinamento – ambos os quais representam comunicação de uma só...
Uso de tecnologia de games é uma forte tendência na arquitetura

Uso de tecnologia de games é uma forte tendência na arquitetura

A competitividade está cada vez maior em todas as áreas profissionais. No entanto, a arquitetura conta com uma inovação poderosa para se destacar no mercado: A tecnologia de games. Ela traz a possibilidade de imersão e caminhadas em primeira pessoa – na apresentação de um projeto, por exemplo. “Os modelos em 3D se tornam mais interativos e impressionantes. E isso tem se revelado uma forte ferramenta de vendas”, aponta o diretor da Orbitotal, especialista de tecnologia de games para a arquitetura, Marlon Moser. Por meio desta inovação, o cliente (ou usuário) pode estar no controle de um ambiente virtual e passear por edifícios. “É possível caminhar dentro de projetos virtuais e sentir de perto o ambiente. O usuário pode, ainda, usar um óculos de realidade virtual e olhar em todas as direções no interior da construção. Essa tecnologia também está sendo usada para testar a reação das pessoas a diversas versões hipotéticos de um mesmo projeto”, explica Moser. A técnica transforma projetos arquitetônicos tradicionais em conceitos inovadores e, muitas vezes, levam o arquiteto a pensar como um designer de games. Mas ao contrário dos games tradicionais, as suas ideias se tornarão reais em tangíveis. O diretor da Orbitotal destaca que outra tecnologia que migrou dos games para a visualização arquitetônica é a realidade aumentada (RA), onde o usuário pode ver prédios e outros produtos sobre qualquer superfície, como se fossem hologramas. O uso dos games tem um forte impacto em qualquer estratégia digital. Gráficos detalhados, simulações de leis da física, animações, entre outros. Estas opções fazem com que os jogadores se sintam totalmente imersos em mundos alternativos. As empresas...
A tecnologia dos games pode auxiliar o aprendizado

A tecnologia dos games pode auxiliar o aprendizado

O ensino a distância (EAD ou eLearning) ganha um poderoso aliado: os jogos eletrônicos. Os games educacionais são uma tendência mundial e trazem para o universo dos estudos a empolgação e a motivação dos tradicionais jogos eletrônicos. É por esse e outros motivos que eles estão substituindo o ensino convencional em empresas e instituições de ensino. Um game corporativo torna mais fácil o treinamento de equipes e estudantes, assim como o aumento do interesse e do engajamento. Um dos métodos mais conhecidos, que utiliza elementos de games para ensinar, é a gamificação (do inglês, gamification). Gamificar uma apostila ou um tutorial, por exemplo, é certeza de mais eficiência e melhor compreensão do conteúdo. “A gamificação é um recurso que pode ser utilizado para aumentar o interesse e garantir o aprendizado de uma maneira mais agradável”, aponta o diretor da Orbitotal, especialista em games para a educação, Marlon Moser. Ele explica que o ideal é que o estudante seja motivado pela diversão do jogo, e não pela pontuação. “Nossos jogos são criados em parceria com experts em neurociência e psicologia cognitiva, para oferecer produtos que sejam mais eficientes e atraentes”, afirma. Moser conta que um dos principais objetivos no uso dos games, é que as pessoas encontrem motivação e diversão nas tarefas que elas já têm que fazer. Sendo assim, as tarefas são realizadas com a mesma sensação positiva e divertida que os jogos tradicionais são capazes de trazer. O uso dos games tem um forte impacto em qualquer estratégia digital. Gráficos detalhados, simulações de leis da física, animações, etc. Tudo isso faz com que os jogadores se sintam totalmente...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: