Prestadores de serviço também podem emitir nota fiscal eletrônica com o G2KA NFS-e

Depois da obrigatoriedade da Nota Fiscal eletrônica para diversos segmentos, a Nota Fiscal de Serviços eletrônica (NFS-e) já é realidade em diversos municípios do Brasil. Entre seus benefícios, de acordo com Maicon Klug, sócio da G2KA Sistemas, estão menos burocracia e redução de custos para os prestadores de serviços. “Além de não gerar gastos com serviços gráficos, local para estoque de bloco de notas e arquivamento, a NFS-e também torna desnecessária a entrega mensal da Declaração Eletrônica de Serviços (DES)”, explica. Outra vantagem é que ela pode ser emitida por meio da internet e pode também ser enviada via e-mail, trazendo agilidade aos processos de prestação de serviços. Para atender os prestadores de serviços, a empresa blumenauense especializada em gestão de documentos eletrônicos, está presente com o G2KA NFS-e em quase 40 municípios. A solução atende a todas as exigências legais do projeto da Nota Fiscal de Serviços eletrônica. Além disso, tem fácil integração com qualquer software ERP e não impacta no processo operacional de faturamento das empresas. Tecnologia de ponta O G2KA NFS-e utiliza os melhores recursos tecnológicos e conceitos de desenvolvimento do mercado, com o uso de padrões de projetos, metodologia de orientação a serviços (SOA) e arquitetura em camadas. A solução também foi desenvolvida sobre a plataforma Java; apresenta portabilidade entre diferentes sistemas operacionais e não depende de bancos de dados específicos. Conta ainda com interface totalmente web, alta escalabilidade e desempenho; além da integração com qualquer sistema ERP, por meio da interpretação de arquivos de texto, XML, webservices ou troca de informações via banco de dados. Outro diferencial do G2KA NFS-e é o sistema de...

Setor de transportes deve se adaptar a nova legislação

Documento fiscal eletrônico já é uma realidade para muitas empresas O Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) vem se tornando cada vez mais comum no Brasil, embora ainda não seja obrigatório. Muitas transportadoras já se vêem obrigadas a emitir o documento eletrônico, pois as empresas para as quais prestam serviços trabalham com Nota Fiscal eletrônica. O principal impacto da documentação eletrônica é na utilização da Tecnologia da Informação (TI), que hoje ainda não é explorada em sua plenitude pela maioria das empresas de transportes de pequeno e médio porte. “Essas empresas possuem algumas resistências à adesão aos documentos eletrônicos, pois há uma carência muito grande de informações no segmento”, aponta o consultor Roberto Doria, da G2KA Sistemas, de Blumenau (SC). Segundo ele, o transportador não tem como hábito, por exemplo, repassar aos seus clientes informações sobre a entrega e a coleta das mercadorias. “O uso dos documentos eletrônicos transparece maior segurança, pois a empresa que investe nisso informa, muitas vezes em tempo real, o status sobre onde está a mercadoria. Quem já precisou contar com serviços de entrega de uma transportadora, sabe a diferença que este tipo de informação acrescenta ao valor agregado do serviço”, observa Doria. Como o CT-e envolve puramente tecnologia, ele representa uma porta de entrada para demais recursos de infraestrutura e informação. Transportadoras de pequeno e médio porte poderão fornecer serviços dos quais hoje somente as grandes dispõem. Para o cliente final, haverá maior oferta, com serviços de qualidade muito semelhantes. Por outro lado, somente as empresas que se adequarem permanecerão no mercado. O consultor Roberto Doria alerta: “Ao decidirem aderir e investir no CT-e, as...

HBSIS – 20 anos de Sucesso!

Empresa blumenauense de TI completa duas décadas atendendo a maior cervejaria do Mundo Quem passa desapercebido pela rua Ângelo Dias, no centro de Blumenau, não imagina que em quatro andares do edifício George Buatim encontram-se quase 200 profissionais trabalhando para a maior cervejaria do mundo em volume de produção. É ali que se localiza a sede da HBSIS, especialista em soluções de TI, que atende a importantes clientes sendo a AmBev o principal. Uma história de dedicação e boas parcerias O sócio fundador, engenheiro civil, Humberto Matesco já trabalhava na área de TI, quando foi desafiado a se tornar sócio de uma empresa que prestava serviços para Brahma e necessitava ampliar a oferta de serviços. Entretanto, Matesco decidiu abrir o próprio negócio, em 1990, para atuar como parceiro ao invés de sócio. “Com o dinheiro do fundo de garantia do meu antigo emprego e a venda do meu carro, consegui comprar um ar condicionado, móveis, dois computadores e uma impressora. Foi assim que comecei, apenas com conhecimento sobre os sistemas e muita dedicação”, lembra o sócio fundador da HBSIS. Um ano após a criação da HBSIS, o economista João Luiz Kornely, com experiência de 12 anos em TI, adquiriu parte da empresa, destaca que características como conhecimento, competência e trabalho foram essenciais para a empresa dar certo. “Embora fôssemos jovens, tínhamos muita bagagem”. Em 1996, por uma necessidade de mercado, a Brahma, atual AmBev, abre o seu primeiro CDD (Centro de Distribuição Direta) já utilizando o sistema da HBSIS. Em apenas quatro meses, os então jovens empreendedores auxiliaram a triplicar a fatia de mercado da cervejaria em Recife, atualmente...

Grupo Taschibra implanta sistema de NF-e da G2KA

A G2KA Sistemas, de Blumenau, foi a empresa escolhida para implantar um sistema de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) em todas as empresas do grupo Taschibra. Uma das vantagens é que a solução da G2KA pode ser integrada ao atual sistema de gestão utilizado pela Taschibra, o Sapiens. Os benefícios, segundo o gerente de TI, Júlio César de Zutter, já podem ser observados. “Redução nos custos de impressão das notas fiscais, informação imediata dos dados aos clientes, possibilidade de importação dos documentos fiscais sem a necessidade de entrada manual no sistema de gestão e agilidade em todo o processo de faturamento e logística”,...

HBSIS é premiada pela AmBev em 2010

[photopress:Premio_Ambev_red..jpg,resized,centered] Prestação de serviços para a gigante na área de bebidas já dura quase 20 anos A HBSIS, empresa blumenauense de soluções em TI, acaba de ser reconhecida pela AmBev com os prêmios Parceiro ‘Leão e Fera 2010’, além de receber o prêmio com destaque para o melhor funcionário, entre todos os fornecedores, com Thiago Chamorro, em segundo lugar. A iniciativa reconhece o trabalho dos parceiros durante o Plano Verão, período mais crítico do ano para a AmBev. “Esses prêmios reforçam nossa capacidade de atender a grandes corporações em sistemas de missão crítica, assim como consolidam a HBSIS entre grandes players de mercado, pois competimos com empresas de TI de atuação internacional”, aponta o diretor executivo responsável pela conta, Humberto Matesco. O diferencial da HBSIS foi o total foco na gestão dos colaboradores que atuam diretamente na operação, “Levamos o time ao nível de donos do negócio”, completa João Luiz Kornely, sócio-diretor da HBSIS. A estratégia para se manter competitiva em um mercado caracterizado pelo alto nível da concorrência tem sido, segundo Kornely, investir no crescimento da HBSIS dentro do cliente. “Oferecemos soluções completas e inteligentes a todas as demandas de Tecnologia da Informação dos clientes. Como consequência conquistamos sua satisfação, estabelecendo parcerias duradouras e de bons resultados para ambos os lados”, explica. Um case que comprova essa estratégia de sucesso é exatamente a parceria da HBSIS com a AmBev e suas revendedoras, que completa 20 anos. A empresa também tem investido em novos mercados, oferecendo produtos e serviços diferenciados. Atendendo a demandas atuais, a HBSIS aplicou quase 30 mil horas de trabalho para o desenvolvimento de um projeto...

Pequenas e médias já podem utilizar o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e)

Serviço inédito no Brasil foi lançado por empresa de Blumenau (SC) Embora ainda não seja obrigatório na maior parte do país, o CT-e (Conhecimento de Transporte Eletrônico) é uma realidade no Brasil. Algumas Secretarias de Fazenda inclusive já estão liberando ambientes para testes, sendo possível entrar no programa como voluntário. Assim como a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica), o CT-e tem como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico para a substituição da sistemática atual de emissão dos documentos fiscais em papel. Com o CT-e é possível agilizar as paradas nos postos fiscais e reduzir despesas com papel. Além disso, elimina o armazenamento de via fiscal em arquivo morto físico e proporciona a integração do transportador com o emitente e o destinatário. A medida atingirá todas as empresas de transporte. Algumas delas vêem-se obrigada desde já a emitir o documento eletrônico, tendo em vista que as empresas para as quais prestam serviços trabalham com NF-e. Pensando nas empresas de pequeno e médio porte, a blumenauense G2KA lançou uma solução que permite a emissão do CT-e de forma simples e com baixo investimento: o Portal de Digitação de Conhecimentos de Transporte Eletrônico. É a primeira iniciativa do gênero no Brasil. Trata-se de um ambiente online, acessível em qualquer local com conexão à Internet. “A finalidade é permitir que as transportadoras possam digitar, emitir e armazenar seus conhecimentos eletrônicos de forma simples e rápida, sem a necessidade de investimentos em sistemas de gestão de transportes ou infraestrutura física. O impacto dessa mudança exigida pela Receita Federal é grande, principalmente para as empresas que não possuem um sistema de...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: