Oportunidades e riscos para os negócios em 2019 são debatidas em Curitiba

Oportunidades e riscos para os negócios em 2019 são debatidas em Curitiba

Quatro grandes especialistas em negócios, economia e mercado, debateram sobre as perspectivas do mercado brasileiro e novas oportunidades a nível internacional. Grandes nomes do mundo econômico e financeiro estiveram reunidos em Curitiba (PR) nesta segunda-feira (3) para debater sobre as perspectivas do mercado com a entrada do novo governo e os seus impactos nos negócios.   O economista especialista em derivativos e instrumentos financeiros, Guilherme Mei Carrasco; o Cônsul Britânico Honorário do Paraná e colunista da Master Investor, Financier Worldwide e Startupi, Adam Paul Patterson; o economista especializado em Fusões e Aquisições e com experiência na Fusion Investiments nos EUA e no setor Financial Planning & Analysis da University of California, Henrique Tarasiuk; e o sócio fundador da 4trader Investimentos, Carlos Eduardo Guimarães, debateram sobre “Oportunidades e Riscos para o seu negócio em 2019”. O evento contou com apoio de empresas blumenauenses, sendo uma delas Wilhelm & Niels Advogados Associados, que possui unidade no Paraná.   Guilherme Carrasco falou sobre “Visão Global do Mercado Financeiro e seu Reflexo nos Negócios Nacionais e Internacionais”. Segundo ele, os desafios econômicos para os países emergentes estão ligados à política monetária nos EUA, tensão comercial entre EUA e China e política européia, levando em conta o Brexit, guerra comercial, déficit econômico na Itália e a estagnação e crescimento. No mercado nacional, ele destacou a queda na taxa de desemprego e a previsão de uma taxa Selic de 7,75% em dezembro deste ano, além da menor preocupação do Comitê de Política Monetária (Copom) com o cenário eleitoral brasileiro e o foco em reformas e autonomia do Banco Central. Entre os fatores que mais preocupam...
Empresas blumenauenses apoiam debate sobre “Oportunidades e Riscos para o seu Negócio em 2019”

Empresas blumenauenses apoiam debate sobre “Oportunidades e Riscos para o seu Negócio em 2019”

O debate “Oportunidades e Riscos para o seu negócio em 2019” que ocorrerá no dia 3 de dezembro em Curitiba (PR), é apoiado por empresas blumenauenses, sendo uma delas Wilhelm & Niels Advogados Associados, que possui unidade nesse Estado. O evento reunirá quatro grandes nomes do mundo econômico-financeiro para debater sobre as perspectivas do mercado com a entrada do novo governo e os seus impactos nos negócios. São eles: o economista especialista em derivativos e instrumentos financeiros, Guilherme Mei Carrasco; o Cônsul Britânico Honorário do Paraná e colunista da Master Investor, Financier Worldwide e Startupi, Adam Paul Patterson; o economista especializado em Fusões e Aquisições e com experiência na Fusion Investimentos nos EUA e no setor Financial Planning & Analysis da University of California, Henrique Tarasiuk; bem como o sócio fundador da 4trader Investimentos, Carlos Eduardo Guimarães.   Mara Denise Poffo Wilhelm, sócia da Wilhelm & Niels Advogados Associados, explica que um dos motivos para apoiar esse evento é o de propiciar informações aos empresários do mais alto nível, que visam melhorar seus negócios, pois “o evento tem como objetivo compartilhar ideias e visões de negócios em relação ao mercado financeiro, bem como conectar os empresários de variados ramos, transformando, assim, o bate-papo em uma experiência completa em aprendizagem e inovação”. A partir dos resultados obtidos na capital paranaense, o evento pode ser trazido também a Blumenau.   Entre os temas debatidos no evento, destacam-se: visão global do mercado financeiro, reflexos da economia nos negócios, oportunidades de desenvolvimento, fusões e aquisições, visões e táticas de investimento.   As vagas são limitadas. Mais informações pelo site: www.meetingne.com.br.   Apoiadores O...
“Café com Ciência”, em Pinhais (PR), reúne palestrantes com destaque no mundo dos negócios

“Café com Ciência”, em Pinhais (PR), reúne palestrantes com destaque no mundo dos negócios

Acontece nos próximos dias 16 e 17, o “Café com Ciência”, evento de palestras promovido pela Faculdade de Pinhais – FAPI. Com debates sobre temas diversos, como ética e compliance, engenharia mental, reputação líquida, indústria 4.0, tributação, cidadania e recuperação de empresas, as palestras reúnem profissionais renomados e de destaque no mundo dos negócios. Voltado aos cursos de administração, ciências contábeis, logística, gestão de recursos humanos e processos gerenciais, o Café irá receber cerca de 500 participantes, entre alunos e convidados. O Café com Ciência acontecerá no auditório da FAPI, na Av. Camilo di Lellis 1151, em Pinhais (PR). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas na hora, no local do evento. Mais informações em  www.fapi-pinhais.edu.br. Confira a programação: Dia 16 de maio Laudelino Jochem Laudelino é Contador; Bacharel em Ciências Contábeis; Especialista em Contabilidade e Finanças pela Universidade Federal do Paraná (UFPR); Especialista em Gestão Tributária pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR); Aperfeiçoamento em Contabilidade Internacional – Adequação Brasileira às Normas IFRS pela Universidade Federal do Paraná (UFPR); Coordenador Geral da AIC – Consultoria Empresarial (www.aicconsultoria.com.br); Vice-Presidente de Administração e Finanças do CRC/PR; Consultor de Qualidade para Prestadoras de Serviços Contábeis; Professor Universitário,  Vencedor do  III  e  do   IV  Concurso Prêmio Professor “Orivaldo João Busarello” nos anos de  2008   e    2010   promovido  pelo   Conselho   Regional   de Contabilidade do Paraná, (CRC/PR) e Academia de Ciências Contábeis do Paraná, Vencedor do Título de Contabilista do Ano de 2010, promovido pela Federação dos Contabilistas do Estado do Paraná e em 2012 foi homenageado durante o Grande Expediente na sessão plenária da Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, recebendo a “Menção Honrosa”...
Três dicas para manter a saúde das empresas em tempo de recessão

Três dicas para manter a saúde das empresas em tempo de recessão

O ano de 2017 está sendo marcado por uma série de eventos negativos no campo político e econômico. A corrupção foi desvendada em níveis nunca imaginados, seguidos de desconfiança das decisões judiciais que envolvam esses crimes políticos, bem como do total descontentamento para com nossos representantes em todos os níveis, o que leva a indicadores apontando para um cenário de retração. Nesse contexto, é exigido das empresas um esforço muito maior para manter a competividade e produtividade. O termo “empresas estressadas”, já comumente usado nos Estados Unidos e Europa, designa companhias em situações de dificuldades financeiras pelas mais diversas situações. Alguns problemas, de acordo com a advogada e especialista em recuperação de empresas, Dra. Mara Denise Poffo Wilhelm, sócia da Wilhelm & Niels Advogados Associados, partem de seus próprios líderes, que se encontram totalmente desorientados pelos resultados que a companhia apresenta e transferem essa pressão para a sua equipe. “Em situações de grande estresse, pode levar à tomada de decisões errôneas ou inconsequentes, ocasionando o agravamento da crise e da situação financeira da empresa”, explica. O resultado é um caos diário na gestão e na operação da empresa. Com esse clima, pequenos problemas do dia a dia podem se transformar em grandes, ante a situação precária e nervosa que contaminou toda a empresa, levando a resultados ainda piores. Mas, como manter uma empresa saudável, evitando o estresse da empresa? Dra. Mara dá algumas dicas. Confira: 1 – Manter-se em constante vigília e acompanhar os resultados da empresa: é imprescindível que os gestores tenham sempre acesso aos resultados da empresa, e que realizem a análise contábil e financeira destes. Projetar...
4 alterações necessárias na lei de recuperação de empresas

4 alterações necessárias na lei de recuperação de empresas

Com o objetivo de incentivar o procedimento da recuperação de empresas, melhorar os índices de sucesso e auxiliar na retomada do crescimento econômico, o Ministério da Fazenda, por intermédio da Portaria 467/2016, criou um grupo de trabalho composto por juristas, economistas e técnicos no assunto para deliberarem sobre os ajustes necessários na Lei nº 11.101/05, conhecida como Lei de Recuperação de Empresas e Falências (LRF). O advogado especialista em recuperação judicial de empresas, Alcides Wilhelm, destaca algumas alterações que serão analisadas para que a lei continue se mostrando eficaz, trazendo modernidade e dinamismo. Confira: Criação de varas judiciais especializadas no assunto: atualmente, a competência para o processamento de um pedido de recuperação judicial é das varas cíveis comuns, onde os magistrados julgam os mais variados temas, o que dificulta o andamento do processo. Criação de linha de crédito para empresas em recuperação, os chamados “DIP Financing”: comuns em outros países e fundamentais para que os projetos de recuperação sejam exitosos, a criação desta linha de crédito merece um destaque já que a sua falta vem sendo um dos motivos para o baixo índice de empresas que conseguem sair da recuperação. Trava bancária (garantia fiduciária): nas propostas de alteração da lei, os créditos com esta modalidade de garantia passariam a se sujeitar à recuperação, mediante a criação de uma nova classe de credores, os “com garantia fiduciária”. Stay Period: atualmente o período é de 180 dias, também deve ser alterado, adequando-se a lei ao que a jurisprudência já vem chancelando, ou seja, um prazo maior para a suspensão do curso da prescrição e de todas as ações e execuções contra...
As alterações necessárias na lei de recuperação de empresas

As alterações necessárias na lei de recuperação de empresas

A grave crise econômica, vivenciada pela maioria dos segmentos econômicos brasileiros, está sendo um teste para a nova Lei de Recuperação de Empresas e Falências, Lei 11.101/2005 (LRE), que se mostrou eficaz em muitos pontos, trazendo modernidade e dinamismo ao instituto, porém deficiente em alguns outros. Com o objetivo de dinamizar o procedimento da recuperação de empresas, melhorar os índices de sucesso, bem como auxiliar na retomada do crescimento econômico, o Ministério da Fazenda, por intermédio da Portaria 467/2016, criou um grupo de trabalho composto por juristas, economistas e técnicos no assunto para deliberarem sobre os ajustes necessários na referida lei. Dentre as alterações sugeridas, está a criação de varas judiciais especializadas no assunto. Atualmente, a competência para o processamento de um pedido de recuperação judicial é das varas cíveis comuns, onde os magistrados julgam os mais variados temas, o que dificulta o andamento do processo. Outra situação que merece destaque e gera muitos problemas é a falta de linha de crédito para empresas em recuperação, os chamados “DIP Financing”, comuns em outros países e fundamentais para que os projetos de recuperação sejam exitosos. A falta dessas linhas de crédito vem sendo um dos motivos para o baixo índice de empresas que conseguem sair da recuperação. Também não menos importante, é a questão da trava bancária (garantia fiduciária), que vem esvaziando os projetos de recuperação judicial. Nas propostas de alteração da lei, os créditos com esta modalidade de garantia passariam a se sujeitar à recuperação, mediante a criação de uma nova classe de credores, os “com garantia fiduciária”. O “stay period”, que atualmente é de 180 dias, também deve...

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: