Especialistas defendem ergonomia como programa contínuo nas empresas em evento promovido pela Acib e SESI

O núcleo de Segurança e Saúde do Trabalho da Acib e o SESI Blumenau promoveram, na manhã desta terça-feira, o fórum Ergonomia na Saúde Financeira das Empresas. A primeira palestra tratou do tema “A judicialização da Ergonomia, como gerenciar o contencioso trabalhista nas empresas”, com o fisioterapeuta do Trabalho Alisson Alfred Klein. Ele explicou que o acidente de trabalho é aquele que acontece na empresa, a serviço ou a caminho da empresa e que, atualmente no Brasil, existem 23 profissões que podem atuar com ergonomia. Klein ainda falou sobre questões técnicas relacionadas à análise ergonômica, classificação dos riscos ocupacionais, fatores de risco ergonômico e psicossociais. O especialista ressaltou a importância de a empresa atender o trabalhador e demonstrar que está de fato preocupada com ele. “A judicialização é uma área de grande conflito. A avaliação adequada é fundamentada em critérios técnicos”, apontou.

A “Importância da Gestão Ergonômica no Processo Jurídico Trabalhista”, foi tratada pela perita Cristiane Matias. Entre as funções que apresentam risco ergonômico, ela citou: manuseio de carga, postura inadequada, trabalho repetitivo, esforços excessivos, ausência de pausas e rodízios. “Muitas vezes o problema começa na contratação, no exame admissional, que não é suficientemente preciso”, alertou. Cristiane ainda defendeu que a ergonomia deveria ser um programa e não apenas uma análise.

A fisioterapeuta Claudia Wanderck abordou o tema: “Gestão ergonômica descomplicada”. Na opinião dela, o papel de todo empregador é fazer uma análise ergonômica do trabalho. Claudia citou alguns passos que devem ser seguidos neste sentido. O primeiro deles é ter calma, o segundo é fatiar a execução da análise ergonômica e a solução dos riscos identificados. Em seguida, priorizar as ações com base em critérios estabelecidos e avaliar o custo do desconforto que aquele ambiente gera no trabalhador. Depois, avaliar o custo x benefício dessas melhorias, valorizar as pequenas melhorias e Incluir a ergonomia no processo de trabalho. Por fim, criar um canal de comunicação e reavaliar sempre.

O case do SESI “A inserção da ergonomia como ferramenta de melhoria contínua”, foi apresentado por Mariana Della Giustina Provesi. A fisioterapeuta apresentou o trabalho desenvolvido pela entidade na empresa Cremer, que mostra como é possível fazer um gerenciamento adequado da ergonomia. “O SESI iniciou a parceria em 2010 com o programa Saúde em Movimento (ginástica na empresa, ambulatório de fisioterapia e ergonomia), atuando fortemente na prevenção. De 2008 a 2013, o absenteísmo da Cremer variava de 10 a 13%. A partir de 2013 a Cremer fez uma série de modificações, entre elas as ações propostas pela ergonomia, e o absenteísmo caiu para 2% em 2016”, apontou.

O evento teve apoio da Acib, Ergonomize, LongLife, Sefit e Hospital Santa Catarina de Blumenau.

frum_ergonomia_acib_e_sesi_18042017_22

frum_ergonomia_acib_e_sesi_180420172

Mais informações:
Presse Comunicação Empresarial – Assessoria de Imprensa
Blumenau – Santa Catarina
(47) 3041-2990 ou 3035-5482 | www.presse.inf.br

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: