Falta mão de obra em TI

[photopress:M__o_de_obra_TI.jpg,full,centered] Setor em crescimento oferece cada vez mais vagas para profissionais qualificados

A 20ª Pesquisa Sobre Administração de Recursos de Informática, realizada pela Fundação Getúlio Vargas entre agosto do ano passado e abril de 2009 com duas mil empresas (incluindo 60% das 500 maiores corporações do país), comprova o crescimento do setor de Tecnologia da Informação no Brasil. De acordo com o estudo, 6% do faturamento líquido das companhias foi investido em TI – quase o dobro do investimento feito pelas empresas dez anos atrás.

Recentemente, o IBGE registrou em suas pesquisas sobre emprego que o setor de TI sofreu um aumento no número de vagas da ordem de 40% nos últimos três anos, devido não apenas à expansão econômica e ao uso da tecnologia, como também ao crescimento da exportação de serviços tecnológicos. Só em Blumenau são mais de 500 empresas de informática para uma população de pouco mais de 300 mil habitantes.

Mesmo com todos esses dados favoráveis, as empresas dessa área enfrentam um grande revés: a falta de mão de obra especializada. Para a supervisora de Recursos Humanos da HBSIS, empresa blumenauense desenvolvedora de soluções corporativas na área de TI, existe no mercado um grande número de candidatos, no entanto, com pouca expertise. “Como a tecnologia é ágil, assim são as ambições dos jovens. Cada vez mais, procuram novos conhecimentos e desafios, faltando mergulhar e amadurecer nos processos em que se encontram”, aponta.

Falta mão-de-obra qualificada – Na opinião de Ximena Luengo, a mão de obra qualificada é essencial para as empresas, porque soma novos recursos. Segundo ela, o que diferencia os profissionais são características como conhecimento e maturidade, além do perfil comportamental. “Às vezes o conhecimento e a experiência são bons, mas os comportamentos do profissional são nocivos à equipe, prejudicando o resultado final”, assinala a supervisora de RH. Com uma mão de obra capacitada para cumprir as exigências do mercado, o setor de TI tende a se tornar cada vez mais forte, contribuindo para o fortalecimento das empresas e maior geração de emprego no país.

A influência da crise – Para os especialistas, não foram todas as empresas de TI que sofreram com a crise mundial. “O impacto vem dos projetos que estavam sendo desenvolvidos e o planejamento que a empresa teve frente à crise”, destaca Luengo. Na opinião dela, o momento é de desafio, dentro e fora das empresas. Isso porque o profissional pode contribuir para melhorar o desempenho corporativo e, por outro lado, gerenciar sua carreira com as inúmeras possibilidades que a área de TI oferece.

Números do mercado de TI
• O capital humano representa para a tecnologia da informação 70% de seu desenvolvimento.
• O mercado brasileiro de software e de serviços movimentou, em 2007, US$ 11,12 bilhões, segundo pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Empresas de Software (Abes).
• Um levantamento da Catho aponta que será necessário formar 100 mil profissionais para atender a demanda dos próximos dois anos.
• Para a Abes, o déficit será de 50 mil técnicos, graduados, especialistas e pós-graduados.
• Filipe Rizzo, da Politec S.A., é menos otimista. Segundo ele, “vão faltar 200 mil profissionais até 2010, 40 mil técnicos – aqueles que têm entre 16 e 24 anos”. Para esse profissional iniciante, são oferecidos, atualmente, salários iniciais de R$ 1,5 mil a R$ 2 mil.
• A média brasileira é de um computador para cada três habitantes, cenário melhor que a média no resto do planeta – a previsão, em três anos, é que o número chegue a 100 milhões de PCs, ou seja, um a cada dois brasileiros.

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: