Tuberculose, a segunda doença infecciosa que mais mata no mundo

Dia 24 de março é a data internacional para conscientizar a população sobre a enfermidade.

No ranking brasileiro de mortes causadas por males infecciosos, o quarto lugar pertence à tuberculose. A doença também está entre as dez que mais causam internações hospitalares. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), aproximadamente 36 pessoas a cada 100 mil habitantes no Brasil possuem tuberculose. Em dados internacionais, a Organização Mundial de Saúde (OMS) destaca que a enfermidade está em segundo lugar entre as doenças infecciosas mais mortíferas, atrás apenas do HIV. Por isso, para diminuir os números alarmantes, a OMS e a União Internacional Contra Tuberculose e Doenças Pulmonares estipularam, em 1982, o dia 24 de março como o Dia Mundial de Combate à Tuberculose.

Já em Santa Catarina, há uma taxa de mortalidade de apenas 0,7, graças a trabalhos mais efetivos em diagnóstico e tratamento precoce, de acordo com o pneumologista do Hospital Dia do Pulmão, dr. Ricardo Albaneze. “Blumenau é exemplo no tratamento da tuberculose, realizando 100% de seus tratamentos de maneira diretamente observada e tendo índice de cura acima de 80%”, explica. Mesmo assim, o médico destaca a importância de conscientizar a população sobre a gravidade da doença.

O principal sintoma da doença é a tosse, o que, segundo o pneumologista, comumente confunde os portadores por ser considerada um mecanismo de defesa, que com frequência está associada a alergias ou doenças respiratórias, como gripes ou resfriados. Entretanto, o médico alerta que quando o sintoma persiste por mais de três semanas é preciso investigar melhor suas causas.

Albaneze ressalta que os sintomas que merecem atenção e cuidado especiais são: tosse que perdura além de três semanas, podendo ser acompanhada de secreção e sangue; mal estar; dor no peito; perda de peso; suor e febre. Causada pelo Bacilo de Koch (BK), a tuberculose geralmente afeta os pulmões, mas também pode atingir qualquer outra área do corpo. É uma doença que tem cura, porém possui um tratamento longo e que não deve ser interrompido.

“Se o paciente para de tomar os antibióticos antes do período recomendado, as bactérias remanescentes tornam-se resistentes, agravando o quadro e proliferando a doença com formas mais difíceis de controle. Logo no início do tratamento, quando há um bom quadro de melhora, muitos pacientes acreditam que já estão curados e interrompem o acompanhamento médico, e isso não pode acontecer”, esclarece.

Contaminação e prevenção

O pneumologista explica que o contágio se dá por meio da inalação das gotículas que contêm o bacilo de KocK, provenientes da tosse dos pacientes portadores da Tuberculose Pulmonar e que ficam em suspensão no ar ambiente por período curto. A melhor forma de se prevenir contra a tuberculose é a vacinação ainda na infância. Outra medida importante de prevenção é evitar o contato com pessoas contaminadas.

Atendimento

O diagnóstico precoce é fundamental para um tratamento eficaz. Por isso, o pneumologista orienta que em caso de tosse constante ou algum dos outros sintomas da doença, o melhor a ser feito é buscar orientação médica. O Hospital Dia do Pulmão, por exemplo, em Blumenau, é uma das 12 instituições no Brasil certificadas pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) em Laboratório de Função Pulmonar e possui atendimento especializado para problemas respiratórios, como a tuberculose. Mais informações sobre a doença e sobre tratamento podem ser obtidas pelo site www.hospitaldopulmao.com.br ou pelo telefone (47) 3037-7099.

Mais informações:
Presse Comunicação Empresarial – Assessoria de Imprensa
Blumenau – Santa Catarina
(47) 3041-2990 ou 3035-5482 | www.presse.inf.br

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Presse - Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: